quinta-feira, 28 de março de 2013

Terreiro do Paço transforma-se numa tela multimédia gigante


O Terreiro do Paço vai transformar-se numa tela multimédia gigante, durante este fim-de-semana prolongado da Páscoa (28 a 31 de março), a partir das 21h00 e até às 00h15, com o espetáculo "Terreiro do Paço - a nossa praça", pelos artistas Nuno Maya e Carole Purnelle.

O espetáculo é de entrada livre e convida o público a passear por este espaço requalificado da capital portuguesa através daquela que é já considerada a maior projeção 3D vídeo mapping alguma vez feita em Portugal, com mais de 150 metros de comprimento.

Haverá, também, uma plataforma interativa touchscreen em tempo real, que transforma a fachada poente do Terreiro do Paço num mural virtual gigante, subordinado à temática da Páscoa e da Primavera.

Para estas noites da quadra Pascal foram produzidos mais de 150 gigabytes de filmagens e mais de 500 desenhos e pinturas para, no final, se criar um filme animado, composto por 22 mil imagens sequenciais adaptadas à fachada do edifício.

A projeção é acompanhada por uma banda sonora original do compositor Sylvain Moreau, difundida num sistema de som com mais de 45 mil watts de potência.

O evento é organizado pela Associação Turismo de Lisboa, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa e a EGEAC, e sob a direção artística de Nuno Maya e Carole Purnelle, do ateliê OCUBO, que assegura a produção dos conteúdos, workshops, animações 2 e 3D, efeitos especiais, pós-produção, edição vídeo, programação interativa, banda sonora e projeção do vídeo mapping.

O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado: Problema ou Solução?



Que custos estariam implicados na ausência de tecnologia no Estado? Como ficaria o papel do cidadão ao lidar com questões relacionadas com impostos ou com a Segurança Social? Consegue imaginar como seria, por exemplo, a gestão das Finanças sem tecnologia?

Edwin Lau, Chefe da Divisão de Reforma do Sector Público da OCDE, vai trazer-nos uma perspetiva internacional sobre as vantagens da inovação tecnológica no sector público. Para este especialista, não basta aos organismos públicos estarem presentes online, é preciso que a representação por essa via seja útil e corresponda às reais necessidades de quem a eles recorre.

Lau irá, também, apresentar alguns modelos internacionais bem sucedidos de tecnologia aplicada à Administração Pública, bem como mostrar o papel dos cidadãos e da sociedade civil neste domínio.

Estas são apenas algumas das questões a que a APDSI vai procurar responder na conferência "O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado - Problema ou Solução?", que se vai realizar no próximo dia 4 de abril, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

As inscrições para a conferência deverão ser feitas através do e-mail: secretariado@apdsi.pt.

quarta-feira, 27 de março de 2013

O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado: Problema ou Solução?



O arranque da conferência da APDSI, intitulada "O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado - Problema ou Solução?", que se vai realizar no próximo dia 4 de abril na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, é marcado pela intervenção do Secretário de Estado da Administração Pública, Helder Rosalino, que nos vai dar uma perspetiva política sobre esta questão, a partir das 09h30.

Numa altura em que o país discute a nova "Lei do Trabalho em Funções Públicas" com as palavras "corte" e "redução" a fazerem parte do vocabulário diário dos governantes nacionais, vamos procurar perceber com este representante do Estado português, qual seria o preço da ausência de tecnologia na Administração Pública.

As inscrições para a conferência deverão ser feitas através do e-mail: secretariado@apdsi.pt.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Social Now

O Social Now é um evento desenhado para ajudar as empresas a melhorar a sua eficiência e os seus processos de inovação através de ferramentas sociais internas (enterprise 2.0).

Os objetivos são alcançados com a demonstração ao vivo de várias ferramentas no mercado (12), demonstrações centradas nas necessidades da Cablinc.


Apesar de fictícia, a Cablinc é uma empresa muito parecida com a sua, que pretende melhorar os seus processos de gestão da inovação, partilha de conhecimento e colaboração em projetos. Este formato de apresentação deixa de lado os slides, os discursos de venda, e cria uma linguagem comum que lhe dá uma oportunidade única de verdadeiramente perceber qual é a melhor ferramenta para a sua organização, ou quais os melhores complementos para as ferramentas que já tem.

Um painel de profissionais independentes, e com créditos reconhecidos, irá colocar questões como forma de destacar aspetos-chave a ter em conta na análise de qualquer ferramenta.

Nos dias 18 e 19 de abril ficará a saber o que faz a diferença entre tantas ferramentas que existem no mercado, poderá recolher ideas de como usar as que já tem e tirar partido do caminho já percorrido por outras organizações.

Os sócios da APDSI, com a quotização em dia, beneficiarão de um desconto de 15% na inscrição para o Social Now. Saiba mais no nosso sítio na web.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Estudo de Gestão de Conhecimento

A Knowman está a realizar a terceira edição do estudo "Gestão de Conhecimento em Portugal".

Este estudo assenta em respostas a um breve questionário online e destina-se a organizações públicas ou privadas, grandes ou pequenas, familiarizadas ou não com a expressão "gestão de conhecimento". O único requisito é que tenham presença em Portugal ou em Espanha, uma vez que a edição de 2013 do estudo é ibérica e procura perceber a disseminação de práticas e ferramentas de gestão de conhecimento em organizações dos dois países.

O tempo médio de resposta é de 10 minutos e o questionário pode ser preenchido até ao dia 31 março.

O que ganha a minha organização com isto?

1 - Contribui para um instrumento de trabalho que valida esforços (quem sabe os seus?);

2 - Pode aproveitar algumas ideias de práticas e ferramentas para a sua organização;

3 - Habilita-se a si e à sua organização a alguns prémios;

4 - Alguns sorrisos (preencha e perceberá porquê!).

À semelhança dos anos anteriores, o relatório geral do estudo ficará disponível para consulta gratuita.

O questionário está disponível para organizações em Portugal deverá ser respondido aqui.

Se está em Espanha o questionário a preencher é este.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Olimpíadas Nacionais de Informática (edição 2013)


A APDSI promove a realização das Olimpíadas Nacionais de Informática (ONI) e a participação portuguesa nas Olimpíadas Internacionais de Informática (IOI). A 25ª Olimpíada - IOI 2013 - realiza-se este ano na cidade de Brisbane, Austrália, de 6 a 13 de julho de 2013.

Portugal estará presente de novo, em conjunto com cerca de 80 outros países. A APDSI - Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação - promoverá a participação da representação portuguesa nesta 25ª edição das IOI.

As Olimpíadas Internacionais de Informática, IOI - International Olympiad in Informatics - são uma das seis Olimpíadas da Ciência. A primeira edição das IOI teve lugar em Pravetz, Bulgária, em 1989, com o apoio da UNESCO e desde então têm-se realizado todos os anos.

O objetivo principal das IOI é estimular o interesse dos jovens - estudantes do ensino secundário - pela informática e pelas tecnologias da informação e os seus vencedores, em cada ano, pertencem ao grupo dos melhores jovens cientistas mundiais no domínio da Informática.

A equipa portuguesa que participará nas IOI é selecionada através de um concurso de informática nacional ONI - Olimpíadas Nacionais de Informática. A componente científica da prova é da responsabilidade do Departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e do Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve.

Este ano, e como tem sido hábito, as ONI desenrolam-se em duas fases: a primeira é um concurso realizado através da Internet, no qual os concorrentes, todos alunos do ensino secundário, resolvem três problemas de programação de natureza algorítmica, submetendo as suas soluções a um sistema de avaliação automático. Os 30 concorrentes que obtiverem melhor classificação nesta prova preliminar passam à final nacional, que se realiza presencialmente, durante o mês de maio.

As inscrições estão a decorrer até ao final do dia 16 de abril. A prova de qualificação, feita via Internet, decorre entre as 12h00 do dia 18 de abril e as 18h00 do dia 20. A final nacional acontece no dia 3 de maio.

Os concorrentes mais bem classificados na prova final poderão ser selecionados para participarem num estágio de formação, a realizar em junho de 2013, no final da qual serão escolhidos quatro, para participarem, em representação de Portugal, nas IOI. Pode consultar o regulamento no sítio na web da APDSI.

Esta participação será patrocinada, como sucedeu nas edições anteriores, por entidades, instituições e empresas portuguesas de acordo com o regulamento internacional das IOI.

domingo, 17 de março de 2013

«Gestão de Informação e Propriedade Intelectual em Arquivos»


 

 
O Programa no site do Goethe Institut

segunda-feira, 11 de março de 2013

Conferência: O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado - Problema ou Solução?



A APDSI vai realizar uma conferência, intitulada "O Papel da Sociedade da Informação na Reforma do Estado", no próximo dia 4 de abril de 2013, entre as 9h00 e as 18h00, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa (Campus de Campolide), que também vai decorrer em videoconferência com várias universidades do país.

A inscrição para a conferência, coordenada pelo Dr.Luís Vidigal, é gratuita para os sócios com a quotização em dia e convidados especiais. Para os restantes participantes a inscrição implica o pagamento de 30 euros, que incluem a quota de 2013. Em ambos os casos deverá ser feita através do e-mail secretariado@apdsi.pt.

Ao longo dos últimos trinta anos as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) tiveram um papel determinante na transformação do aparelho do Estado, induzindo nalguns setores verdadeiras roturas e quebras de paradigmas vigentes, mas infelizmente este percurso nem sempre foi linear e cumulativo, pois os vários governos que entraram neste processo nem sempre souberam reconhecer a herança recebida, preferindo reinventar soluções em vez de reaproveitar os progressos já alcançados e inovar nos sistemas de informação através da criação de valor mais sustentada e participada.

As iniciativas e programas de e-Government conquistaram um papel de indiscutível relevo na agenda política dos governos de todo o mundo, constituindo um dos temas centrais nas discussões sobre a modernização das administrações públicas, desburocratização e competitividade. Neste domínio Portugal atingiu, no passado recente, notoriedade internacional pela diversidade de realizações e inovação evidenciadas no desenvolvimento de vários programas que é importante dar continuidade no futuro, apesar da adversidade das atuais circunstâncias financeiras.

Na sequência da Conferência realizada em 2012 sobre desmaterialização de processos e dada a recente alteração verificada nas diversas estruturas coordenadoras das TIC na administração pública, num contexto em que se questiona o atual modelo do Estado, a APDSI propõe-se fazer um ponto de situação e refletir sobre o papel das tecnologias da informação na melhoria do funcionamento dos serviços públicos, procurando deste modo dar um contributo da sociedade civil para a discussão em curso sobre a reforma do Estado.

Veja aqui o programa.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Governo defende o recurso à Telemedicina


O Governo está a empenhar-se na intensificação dos serviços de Telemedicina para reforçar as consultas e exames médicos através das tecnologias de informação e comunicação. A notícia está a ser divulgada pelo Grupo Permanente de Saúde da APDSI.

A aposta na telemonitorização aplicada à área da medicina está patente num despacho do Ministério da Saúde, publicado nesta quarta-feira, dia 6 de março, em Diário da República, no qual o Governo destaca as várias experiências regionais já feitas em Portugal, e diversas vezes também apresentadas publicamente pela APDSI, que dão "a possibilidade de todos os utentes receberem a melhor qualidade de cuidados de saúde".

Observação, diagnóstico, tratamento e monitorização do utente o mais próximo possível da sua área de residência, trabalho ou mesmo em sua casa, são as áreas privilegiadas com o recurso à Telemedicina.

Citando as conclusões dos vários grupos de trabalho envolvidos na elaboração do despacho, o documento aponta como uma das principais vantagens das teleconsultas a "redução das distâncias entre os serviços de saúde e os utentes", evitando-se as deslocações e permitindo-se aumentar a rapidez da resposta de algumas especialidades, como a Dermatologia, Fisiatria, Neurologia, Cardiologia e Pneumologia.

No despacho lê-se, contudo, que há uma "falta de estratégia coerente de massificação do uso destas tecnologias no Serviço Nacional de Saúde, bem como a sua introdução na rotina dos cuidados de saúde", pelo que as medidas agora aplicadas vão no sentido de "priorizar e operacionalizar" o recurso à Telemedicina. Leia no sítio na web da APDSI o despacho na íntegra.

De recordar que desde 2003 que a APDSI e todos os seus associados têm vindo a dedicar esforços e atenção sobre a Telemedicina, nomeadamente através dos seus estudos sobre eHealth, Saúde em Linha e Telemedicina.

Desde meados da década de 90 que várias Universidades, Associações, Indústria e Grupos Profissionais alertavam para a necessidade de prestação de serviços de saúde através da Telemedicina que, apesar de nunca ter tido uma disseminação nacional, era bem sucedida nas experiências que foram sendo executadas. Por isso, é com agrado que o Grupo Permanente da APDSI recebe e difunde esta notícia.



quinta-feira, 7 de março de 2013

Singularidades na Sociedade da Informação



A Delegação Norte da APDSI realizou uma conferência, no passado dia 22 de fevereiro de 2013, intitulada "Singularidades na Sociedade da Informação".

O evento decorreu no Auditório da Escola Secundária de Penafiel e foi coordenado pelo Eng. Luís Amaral, também Presidente da Delegação Norte da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI).

quarta-feira, 6 de março de 2013

Plano de Atividades 2013


O Conselho Geral deu parecer favorável ao Plano de Atividades para 2013 proposto pela direcção da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação na reunião do passado dia 5 de março. 
Este documento da APDSI contempla as atividades a decorrer até ao final do ano nas áreas da sociedade, mercado e tecnologias, administração pública, cooperação, desenvolvimento social e internacionalização e também na delegação norte, além das atividades regulares onde se incluem o Fórum da Arrábida, Prémios e Homenagens e as Olimpíadas da Informática, entre outros.

Dos objetivos que a Associação traçou para este ano, destaca-se a intenção de "incrementar a solidez da APDSI pelo aumento da massa associativa individual e de uma melhoria da cobertura das empresas dos setores das TIC como sócios institucionais, que já hoje apresenta indicadores importantes", lê-se na apresentação.

Estes objetivos anuais estão relacionados com a avaliação dos resultados alcançados em anos anteriores e atendendo à crise económica em que o país e a Europa mergulharam desde 2008.

No âmbito da Sociedade a APDSI pretende focar-se em temas como "Redes Sociais e Novos Comportamentos", "Roubo de Identidade", "Privacidade na Internet" e numa nova atualização do Glossário.

A direção da APDSI entende que "a prossecução deste conjunto de atividades representa o compromisso com a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e o aumento de competitividade dos agentes económicos portugueses, que julgamos ser possível apenas através da absorção dos paradigmas da Sociedade da Informação e Comunicação, num contexto democrático e de economia aberta".

Consulte o Plano Anual de Atividades aqui.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Associação privada vai gerir o domínio .pt


O Governo vai criar uma associação privada para fazer a gestão do domínio .pt, uma das atribuições da Fundação para a Computação Cientifica Nacional, entidade que recebeu ordem de extinção do Governo no âmbito das alterações à orgânica do Ministério da Educação e Ciência.

O desaparecimento da FCCN acontece por integração da estrutura na Fundação para a Ciência e Tecnologia, uma decisão que motivou a demissão em bloco da direção.

No comunicado que dá nota da decisão explica-se ainda que as atividades de gestão, operação e manutenção do registo do domínio de topo nacional serão atribuídas a esta entidade independente "atenta a autossuficiência financeira desta atividade, por forma a garantir a respetiva independência e autonomia".