quinta-feira, 22 de abril de 2021

APDSI divulga Livro de Realizações do ano de 2020

 


A APDSI divulga uma edição das Realizações do ano de 2020.

Com prefácio de Gonçalo Caseiro, Presidente do Conselho de Administração da Imprensa Nacional – Casa da Moeda, a APDSI compilou os resultados de todas as iniciativas realizadas ao longo do ano de 2020, um ano atípico e de reinvenção para a APDSI.

A APDSI começou 2020 a trabalhar com os Grupos de Missão, com os primeiros quatro eventos a decorrerem de forma presencial, onde se incluíram o MeetUp “O Setor das TIC em Portugal”, a Conferência “Conflitos na Era da Inteligência Artificial”, com o apoio da AFCEA e que resultou “numa sala cheia”, tal como aconteceu em fevereiro, no Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, com a Conferência “A Inteligência Artificial ao Serviço do Cidadão e das Empresas” com mais de 200 pessoas no público. Presencialmente ainda decorreu a 2.ª Sessão de Reflexão sobre “Os Desafios da Transposição da Diretiva de Direitos de Autor no Mercado Único Digital”. Em 2020 também se realizaram as Olimpíadas da Informática, num modelo totalmente online, com Portugal a ganhar pela 9.ª vez uma Medalha de Bronze.

A Conferência Anual da Saúde decorreu em 2020 também em formato online e foram discutidas as tecnologias emergentes no setor, sob o título “Tecnologias Emergentes: a Saúde do Futuro?”.

Perante a urgência e o sentimento de ambiguidade resultantes da atual pandemia, a APDSI reinventou-se, mostrando que a sua missão e objetivos permanecem atuais, bem como as suas causas.

Desta forma, a APDSI inaugurou um novo formato de evento, os MeetOn. Os MeetOn são eventos curtos, informais e direcionados para uma temática específica – à semelhança dos MeetUp – mas com participação a distância, através de uma plataforma de videoconferência (Zoom). Esta nova modalidade digital de evento permite à APDSI dar continuidade à sua missão de promoção e desenvolvimento da Sociedade da Informação e Conhecimento em Portugal, servindo como plataforma agregadora, de proximidade e de contacto entre os seus diversos stakeholders.

Decorreram um total de 12 MeetOns sempre com mais de uma centena de participantes, mostrando uma capacidade da APDSI de estar junto dos seus associados e parceiros. Os encontros, via Zoom, foram dedicados à Democracia, seguindo-se a Justiça, Ética e Tecnologia, Educação, Economia, Telecomunicações 5G, Energia e Sustentabilidade, Soberania digital, ecossistemas digitais na Saúde, Competências e Qualificações TICE em Portugal, Ciência e Inovação.

Foi, ainda, concretizado um estudo sobre “Competências/Qualificações: Mapeamento das necessidades de competências na área das TICE, visando o ajuste da oferta formativa”, desenvolvido no âmbito do projeto ÁGORA do TICE.PT cofinanciado pelo COMPETE2020, Portugal 2020 e União Europeia. Em 2020 a APDSI voltou a apostar no IRS Consig, para que os parceiros e associados tenham a possibilidade de consignarem parte do seu IRS à Instituição que selecionarem, no ano passado registou-se um trabalho mais intensivo, havendo agora um link diretamente no site da APDSI.

No âmbito da sua atividade na Sociedade Civil, a Associação foi ouvida pela 1.ª Comissão do Parlamento – Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias na pessoa do seu Presidente, Luís Marques Guedes, emitindo um Parecer sobre o Projeto de Lei n.º 473 /XIV/1.ª – Aprova a Carta de Direitos Fundamentais na Era Digital, convidando os seus associados a participar através da resposta a um questionário; emitiu um alerta sobre o artigo 10.º da Proposta de Lei n.º 44/XIV/1.ª; elaborou uma Recomendação sobre o uso voluntário da app “Stay Away Covid”; um Parecer sobre a oferta de serviços de comunicação audiovisual a pedido da 12.ª Comissão do parlamento – Comunicação e Cultura; e ainda redigiu um contributo sobre o pacote legislativo europeu no âmbito do Digital Service Act e Digital Market Act.

A atividade da APDSI em 2020 granjeou à Associação um total de 336 associados individuais, 30 eventos (quatro presenciais), com dois estudos em desenvolvimento, 60 sócios coletivos, 1500 participantes nos eventos e mais de 45 mil visitas ao sítio da internet com 149 conteúdos publicados. Nas redes sociais há a assinalar 831 posts feitos. Para a Direção da APDSI, estes números comprovam um aumento de participação no online, porque a APDSI conseguiu produzir mais eventos, com menores custos e com mais gente a participar. Houve sempre uma adesão crescente aos MeetOns.

A APDSI agradece a todos os que, ao longo de mais um ano, nos ajudaram a cumprir a nossa missão. Foi um ano atípico e, por isso, especialmente exigente, mas no qual a esperança e confiança que patrocinadores, parceiros, sócios institucionais e individuais, elementos que compõem os grupos de missão e demais convidados depositaram na APDSI nos fizeram encarar cada dia com um alento renovado e a crença num futuro melhor e mais sólido. Tivemos de nos reinventar e fomos, assim, também diferentes, mas procurando nunca perder a nossa essência.

Consulte o Livro AQUI.

terça-feira, 20 de abril de 2021

OLIMPÍADAS DE INFORMÁTICA 2021 | A APDSI volta a promover a realização das Olimpíadas Nacionais de Informática – Inscrições abertas até 29 de abril de 2021

 

Olimpíadas de Informática 2021

A APDSI volta a promover a realização das Olimpíadas Nacionais de Informática – Inscrições abertas até 29 de abril de 2021

Lisboa, 20 de abril de 2021 – A APDSI organiza a 33.ª Edição das Olimpíadas Nacionais de Informática (ONI) e promoverá a participação da representação portuguesa em mais uma edição das Olimpíadas Internacionais de Informática (IOI). Estão abertas até às 23:59 horas de dia 29 de abril, as inscrições para as Olimpíadas Nacionais de Informática (ONI).

Em 2021, Portugal voltará a marcar presença, este ano, naquelas que são uma das seis olimpíadas mundiais da Ciência, tendo como aspiração a superação dos resultados da edição anterior.

Desde 2005, temos vindo a proporcionar a numerosos jovens – somando já cerca de 900 –, alunos dos ensinos básico e secundário a oportunidade de participar nesta iniciativa. Para melhor consulta sobre o tema poderá consultar o website http://oni.dcc.fc.up.pt/2021/.

A equipa que representará Portugal nas Olimpíadas Internacionais de Informática (IOI) é selecionada através do concurso de informática designado por Olimpíadas Nacionais de Informática (ONI). A componente científica da prova é da responsabilidade do Departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e do Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve.

As Olimpíadas Internacionais de Informática, IOI (https://ioinformatics.org/), por sua vez, são uma das seis olimpíadas de Ciência, destinadas a estudantes do ensino secundário de todo o mundo. Esta iniciativa revela-se de grande pertinência, na medida em que motiva a participação dos jovens numa atividade complementar de grande interesse e de importância para o seu futuro.

As Olimpíadas Nacionais da Informática são organizadas pela APDSI – Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação e contam, em 2021, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, da Ciência Viva, da Everis Portugal e da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Este ano, e como tem sido hábito, as ONI decorrem em duas fases: a primeira é um concurso realizado através da Internet, no qual podem concorrer todos os alunos do ensino secundário, e que consiste na resolução de três problemas de programação de natureza algorítmica, submetendo as suas soluções a um sistema de avaliação automático.

Os 30 concorrentes que obtiverem melhor classificação nesta prova preliminar passam à final nacional, que se realizará também online, no dia 08 de maio. Pelas limitações impostas pela pandemia do COVID-19, e tendo em conta as recomendações da Direção Geral da Saúde e do Governo, também este ano a Final Nacional e a Prova de Seleção serão realizadas online e não presencialmente.

Os concorrentes melhor classificados na prova final poderão ser selecionados para participar num estágio de formação, a realizar em junho de 2021, no final do qual serão escolhidos quatro elementos que formarão a comitiva que representará Portugal nas Olimpíadas Internacionais da Informática.

As IOI 2020 estão a ser planeadas para ser em Singapura, nos dias 20 a 27 de junho. Como plano alternativo, está também considerada a hipótese de a competição internacional ser realizada online, à semelhança do que ocorreu em 2020.

A primeira edição das IOI teve lugar em Pravetz, Bulgária, em 1989, com o apoio da UNESCO e desde então têm-se realizado todos os anos. O objetivo principal das IOI é estimular o interesse dos jovens – estudantes do ensino secundário – pela informática e pelas tecnologias da informação e os seus vencedores, em cada ano, pertencem ao grupo dos melhores jovens cientistas mundiais no domínio da Informática.

As inscrições são realizadas no sítio das Olimpíadas Nacionais de Informática em http://oni.dcc.fc.up.pt/2021/inscrever até às 23:59 horas do dia 29 de abril.


Nota de imprensa: https://apdsi.pt/2021/olimpiadas-de-informatica-2021-a-apdsi-volta-a-promover-a-realizacao-das-olimpiadas-nacionais-de-informatica-inscricoes-abertas-ate-29-de-abril-de-2021/ 

quinta-feira, 15 de abril de 2021

APDSI divulga plataforma AYR do CEiiA, distinguida pela Google

 


O CEiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento) é uma das dez entidades internacionais selecionadas esta segunda-feira pela Google, sócia e patrocinadora global da APDSI, para integrar, nos próximos três meses, o programa Impact Challenge on Climate, que financia ideias disruptivas que usam tecnologias para acelerar um futuro mais verde.

O Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA), que tem mais de três centenas de engenheiros, no seu centro de excelência situado em Matosinhos, a projetar, implementar e operar produtos e sistemas de última geração para as indústrias de mobilidade, automóvel, mar e aeroespacial, viu agora a Google reconhecer a excelência do AYR, o seu mais disruptivo projeto para ganhar o maior desafio da mobilidade - a descarbonização.

O centro de engenharia e desenvolvimento de produto português vai assim desenvolver a sua plataforma de sustentabilidade baseada em blockchain AYR, que recompensa comportamentos neutros em carbono na mobilidade. Os próximos dois anos serão dedicados à escalabilidade do AYR em cidades de todo o mundo.

O AYR é uma “plataforma baseada em blockchain que visa recompensar comportamentos sustentáveis em mobilidade”, segundo Pedro Gaspar. Uma plataforma de sustentabilidade que, em vez de fazer com que as pessoas e comunidades paguem pelas suas emissões de dióxido de carbono (CO2), recompensa-as por não o fazerem. Isto possibilita assim a criação de mercados locais voluntários de carbono nos quais os créditos verdes digitais circulam como “tokens verdes”, que podem ser trocados por outros serviços – além de as empresas poderem compensar localmente a sua pegada de carbono, contribuindo para acelerar a transição global para cidades neutras em carbono.

Rowan Barnett, Head da Google.org para as regiões Europa, Médio Oriente e África (EMEA) e APAC (Ásia-Pacífico), refere em comunicado que Recebemos uma quantidade impressionante de inscrições para o nosso Programa Impact Challenge on Climate Google.org, e nós e o júri de peritos ficamos convencidos com o conceito inovador do AYR, onde cidadãos, comunidades e empresas são recompensados por comportamentos de mobilidade sustentável”. “Isto estabelece a primeira pedra para a implementação de mercados locais voluntários de carbono. Estamos muito entusiasmados por apoiar o CEiiA para continuar a desenvolver a plataforma AYR e estamos entusiasmados para trabalhar com esta equipa”.

José Rui Felizardo, Presidente Executivo do CEiiA, realça que “esta seleção do Desafio de Impacto sobre o Clima do Google.org impulsionará a nossa plataforma AYR e dá-nos a possibilidade de trabalhar em estreita colaboração com vários parceiros em todo o mundo”.

O Impact Challenge on Climate da Google é um programa que financia ideias disruptivas que usem tecnologias para acelerar um futuro mais verde e resiliente, com as organizações selecionadas, como foi agora o CEiiA, a receberem financiamento e suporte da multinacional norte-americana para ajudar a dar vida às suas ideias.

O CEiiA é um dos maiores investidores em investigação e desenvolvimento em Portugal, trabalhando em colaboração estreia com a indústria e universidades em sectores de alta tecnologia – como o do automóvel e mobilidade –, a aeronáutica, o oceano e o espaço, e está sediado em Matosinhos.

Poderá consultar a entrevista de Pedro Gaspar, Diretor de Tecnologia do CEiiA, à TSF em: https://www.tsf.pt/programa/mundo-digital/emissao/google-distingue-ayr-do-ceiia-13567320.html

Para mais informações consulte o website do CEiiA.

Se quiser conhecer mais sobre a APDSI e os seus parceiros, aceda aqui.

terça-feira, 13 de abril de 2021

SAVE THE DATE | APDSI organiza Workshop “Cadastro Predial – Que futuro?”

 


Inscreva-se AQUI.

Workshop “Cadastro Predial – Que futuro?”

20 de abril de 2021

16:00 horas

A não perder na Plataforma Zoom!

Esta iniciativa surge na sequência das duas tomadas de posição da APDSI, no âmbito do seu Grupo de Missão "Território Inteligente", denominadas “Portugal é um só!”, divulgadas em outubro de 2017 e maio de 2018 e pretende contribuir para o debate sobre o que se perspetiva para o futuro e produzir de forma colaborativa propostas em torno de uma visão partilhada do Cadastro Predial. Trata-se de uma primeira fase de auscultação da sociedade civil em colaboração com as várias instituições relevantes, a que se seguirão iniciativas futuras mais de caráter político-institucional.

Trata-se de um workshop em que todos os participantes nos grupos de trabalho, pertencentes a instituições públicas e à sociedade civil, terão oportunidade de contribuir com sugestões nas sessões de trabalho que decorrerão em salas ZOOM paralelas de acordo com os seguintes temas:

  • Sala 1 - Impacto e desafios Socioeconómicos;
  • Sala 2 - Interoperabilidade e Tecnologias;
  • Sala 3 - Governance, Sustentabilidade e Competências;
  • Sala 4 - Transparência e Responsabilidade dos Poderes Públicos.

Na sessão de abertura deste Workshop, a APDSI contará com as participações de:

  • Direção-Geral do Território (a confirmar);
  • Augusto Mateus, Professor e Consultor;
  • Pedro Tavares, Coordenador da Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado (eBUPi).

A inscrição no evento é gratuita, mas obrigatória.

Reserve o dia na sua agenda e faça a sua inscrição aqui.

A APDSI dará sempre palco à partilha de experiências e de boas práticas.

Deverá aguardar confirmação por parte do secretariado para fornecimento da senha de acesso.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

APDSI lança instrumento para ajudar contribuintes no momento de consignar o seu IRS

 


No âmbito da sua intervenção nas áreas da Cidadania e da Inovação Social, o grupo CivicTech da APDSI criou o IRSconsig, um instrumento que oferece uma forma mais amigável de consultar, pesquisar e filtrar a lista de mais de 4.000 entidades beneficiárias publicada pela Autoridade Tributária.

Pode efetuar pesquisa pelo nome da entidade e filtrar as entidades de acordo com o tipo de atividade e o distrito. Para além de facilitar a consulta, o IRSconsig pretende promover uma maior igualdade de oportunidades para as entidades pela forma isenta como a informação é apresentada (lista ordenada aleatoriamente).

Assim, a APDSI sugere que as organizações nossas associadas possam facultar esta informação aos seus colaboradores, nomeadamente através de uma pequena mensagem aquando do envio da declaração de rendimentos ou nos recibos de vencimento, alertando para esta possibilidade de consignar 0,5% do seu IRS até 30 de junho. Desta forma, todos nós estamos a ser parte do TODO e a ajudar quem mais precisa!


Uma sugestão APDSI:

Ajudar quem mais precisa não lhe custa nada!

Poderá consignar 0,5% do seu IRS a uma instituição à sua escolha, sem qualquer custo.

Para mais informações consulte: https://apdsi.pt/areas/cidadania-inovacao-social/irsconsig/

sexta-feira, 9 de abril de 2021

APDSI divulga 17ª Conferência Anual da itSMF Portugal sobre “Balbúrdia Digital: Melhores práticas para o novo normal”

 


A APDSI divulga a 17ª Conferência Anual da itSMF Portugal, parceira da APDSI, que se realizará no próximo dia 5 de maio, de forma exclusivamente remota, pela plataforma Zoom.

O tema deste ano é “Balbúrdia Digital: Melhores práticas para o novo normal” e conta-se uma vez mais com a participação de reconhecidos especialistas. Poderá encontrar mais informação sobre o evento na agenda abaixo.

A inscrição é gratuita, mas obrigatória. Poderá inscrever-se AQUI. 

Para qualquer questão adicional, consulte o website da itSMF Portugal.


Sobre a itSMF Portugal

A itSMF Portugal é a Associação Portuguesa de Gestores de Serviços de Tecnologias de Informação, que representa em Portugal a itSMF International.

Presente em Portugal desde outubro de 2003, a itSMF é a única organização verdadeiramente independente e internacionalmente reconhecida pelos profissionais de Gestão de Serviços TI em todo o mundo.

Esta organização sem fins lucrativos é uma importante interveniente no processo de desenvolvimento e promoção dos standards e qualificações de “melhores práticas” de Gestão de Serviços TI desde 1991.

À medida que as organizações e os negócios dependem cada vez mais da tecnologia para promover e colocar os seus produtos e serviços no mercado, aumentam também os benefícios de adotar melhores práticas na Gestão de Serviços de TI e de fazer parte de um fórum de especialistas nessas mesmas práticas.

A itSMF Portugal proporciona o acesso a uma rede internacional de peritos da indústria, fontes de informação e eventos que ajudam os profissionais de TI a lidar de uma forma eficaz com as questões da gestão de serviços de TI e os auxiliam a fornecer serviços de alta qualidade.


quinta-feira, 8 de abril de 2021

APDSI assina e divulga Carta Aberta à Presidência da União Europeia em Defesa da Liberdade de Utilização de Criptografia Segura


A APDSI assina e divulga a Carta Aberta à Presidência da União Europeia em Defesa da Liberdade de Utilização de Criptografia Segura, coordenada pelo Capítulo Português da Internet Society.

No final do ano de 2020, a Comissão Europeia (CE) divulgou a intenção de desenvolver uma nova política com o objetivo de limitar a utilização de criptografia forte ponto a ponto pelos cidadãos e as empresas na União Europeia.

Dada a importância do assunto e das consequências dessa intenção da CE, juntaram-se a esta causa algumas entidades para o analisarem e transmitirem uma posição conjunta sobre o tema.

Nesta carta são partilhadas algumas preocupações sobre as consequências que poderão resultar de uma nova orientação da União Europeia sobre a utilização da criptografia digital para fins civis, tanto no que respeita aos direitos e garantias dos cidadãos, como no retrocesso dos progressos feitos para uma transição digital.

Sob o argumento de que importa combater o crime organizado e a ameaça terrorista, o Conselho da União Europeia (CUE), na sua nota de 24.11.2020, assim como a Comissão Europeia, no seu comunicado de 9.12.2020, afirmam a intenção de vir a regulamentar o uso de criptografia nas comunicações digitais com o objetivo de, quando para isso mandatados pela justiça, poderem as autoridades policiais “ler” as comunicações cifradas.

Os subscritores desta Carta Aberta deixam alguns alertas que poderão resultar desta regulamentação, nomeadamente:

  • Não se ganhar qualquer eficácia no combate aos crimes que se diz querer evitar pois, como se viu, não é possível impedir a utilização de criptografia alternativa; 
  • A criminalização, em contrapartida, de um grande conjunto de ações até agora tomadas como legítimas e justificáveis;
  • Atentar contra a confiança pública, entretanto construída nas comunicações digitais assim como o seu uso generalizado, pondo em risco o equilíbrio de uma economia digital cuja importância hoje é considerável; 
  • Uma dramática redução das garantias dadas ao cidadão comum acerca do seu direito à privacidade;
  • A promoção duma situação que pode constituir terreno fértil ao desenvolvimento de regimes de forte controlo das populações em detrimento das suas liberdades democráticas. 

A Carta foi assinada por:

  • Eduardo Santos, Presidente da Associação D3 – Defesa dos Direitos Digitais
  • José Rebelo, Presidente da Associação de Estudos Comunicação e Jornalismo (AECJ)
  • Marcos Marado, Vice-Presidente da Associação Nacional para o Software Livre (Ansol)
  • Maria Helena Monteiro, Presidente da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI)
  • Ana Alves Pereira, Presidente da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas, Profissionais da Informação e Documentação
  • José Legatheaux Martins, Presidente do Capítulo Português da Internet Society (ISOC PT)

Consulte a Carta Aberta AQUI.

Para qualquer questão adicional, consulte o website da ISOC.