terça-feira, 19 de julho de 2011

A Cibernética ao serviço da administração pública e da sociedade

Muitos dos processos da AP podem incluir algoritmia e as tecnologias podem ser um tipo de regulação automática (cibernética), que o ser humano sozinho é incapaz de desempenhar apenas com recurso ao processo normativo. Talvez esta seja a única forma de salvar os valores do serviço público.
Tal como as tecnologias da informação, a burocracia não deixa de ser uma forma de regulação e de fecho do sistema através de regras e procedimentos facilmente incorporáveis em algoritmos e processos automáticos de tomada de decisão. A burocracia e a regulação, tal como as tecnologias, apenas reduzem a margem de incerteza e arbitrariedade através da construção de modelos da realidade e de recondução à legalidade.
“A integração e o apoio dos agentes na modernização administrativa não é uma questão de mentalidade, mas de processos, de competências, de autonomias e, ainda, de formas de participação e negociação.” (Mozzicafreddo, 2001), mas se as competências e a participação são baixas e as autonomias estão mal reguladas no nosso país, só nos resta mexer nos processos de uma forma neo-burocrática e respeitadora das competências de pessoas e máquinas.
A introdução de simuladores de cálculo do IRS, dos subsídios de arrendamento jovem, e outros no Infocid durante os anos 90 e mais recentemente algumas iniciativas no género no âmbito do SIMPLEX, são formas intencionais de acabar com divergências na interpretação da lei e de criar uma “verdade” informática no processo decisório, baseada em algoritmos suficientemente “fechados” e “definitivos”, para não permitirem arbitrariedades nos processos.
Neste momento quero estar mais no campo da ciência do que na ideologia. Infelizmente a participação no nosso pais mais parece ser uma questão de fé do que uma realidade.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

APDSI acredita que a Sociedade da Informação pode ajudar no combate à crise

Qualidade de vida no emprego, qualificação profissional e competitividade económica são possíveis mesmo em tempo de crise financeira (grande endividamento), económica (forte recessão) e social (elevado desemprego). Esta foi a convicção demonstrada na 11ª tomada de posição do GAN apresentada publicamente nesta quinta-feira, dia 14, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, sob o tema "Emprego, Competitividade e Sociedade da Informação". O Grupo de Alto Nível da APDSI defendeu que o recurso a instrumentos da Sociedade da Informação permite a expansão económica, mesmo em contexto difícil, sem haver perdas de postos de trabalho.

Para que tal aconteça, o GAN recomenda que sejam desenvolvidas políticas de incentivo ao aumento da produtividade: «As economias nacionais deveriam ter mecanismos de política para o aumento da qualidade do emprego. Assim, poderíamos perguntar qual é a relação que pode existir entre "crescimento" da economia e "dinâmicas" dos mercados de emprego? Provavelmente, essa relação também passará, em Portugal, por políticas de incentivo ao aumento da produtividade. Essa é a única opção estratégica em período de recessão económica, com menor impacto negativo em termos sociais».

O GAN é composto por um pequeno número de membros seleccionados individualmente pela direcção da APDSI, colocando o seu conhecimento e experiência ao serviço da comunidade nacional.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

APDSI apresenta tomada de posição pública sobre Emprego, Competitividade e Sociedade da Informação


O tema "Emprego, Competitividade e Sociedade da Informação" foi o escolhido pelo GAN (Grupo de Alto Nível) para a sua 11ª tomada de posição apresentada publicamente nesta quinta-feira, dia 14, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

Para esta tomada de posição, o GAN analisou, em primeiro lugar, o estado do emprego em Portugal e a competitividade da economia nacional, para depois propor as diversas contribuições que a Sociedade da Informação (SI) pode dar. Tendo em conta o quadro da Agenda Digital e da Estratégia Europa 2020, o GAN preocupou-se, também, em enfatizar que se pode potenciar a competitividade portuguesa, recorrendo à SI em áreas tão distintas como a agricultura, a indústria e serviços.

«Questões chave da estratégia de crescimento são a determinação das necessidades de trabalhadores da informação e a determinação das necessidades de requalificação de trabalhadores que se convertem em trabalhadores da informação. Uma outra questão chave é a adequação dos sistemas educativos e de formação profissional de modo a fornecer qualificações intelectuais cada vez maiores exigidas aos trabalhadores da informação» afirma o GAN.

Esta 11ª tomada de posição do GAN ocorre num período em que Portugal vive uma grave crise financeira (grande endividamento), económica (forte recessão) e social (elevado desemprego).

O GAN é composto por um pequeno número de membros seleccionados individualmente pela direcção da APDSI, colocando o seu conhecimento e experiência ao serviço da comunidade nacional.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Posição do GAN: Emprego, Competitividade e SI

O tema "Emprego, Competitividade e Sociedade da Informação" foi o escolhido pelo GAN (Grupo de Alto Nível) para a próxima tomada de posição que será apresentada na quinta-feira, dia 14, às 11h00, na Sala do Senado da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

Esta 11ª tomada de posição do GAN ocorre num período em que Portugal vive uma grave crise financeira, económica e social e em que, na sequência das eleições legislativas de 5 de Junho de 2011, iniciou funções o novo Governo Constitucional, o qual tem por missão dar cumprimento aos acordos estabelecidos entre o Governo, a União Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional.

Faça a sua inscrição de forma gratuita, mas obrigatória, através do email: secretariado@apdsi.pt.

quarta-feira, 6 de julho de 2011